sexta-feira, 24 de junho de 2011

 

As ondas - Virginia Woolf

Quedo-me em contemplação. Defronte o mar. Imenso azul. AS ONDAS rebentam calma e ininterruptamente. O som líquido cadenciado embala-me. Concebo que as vagas se assemelham, todavia, cada rebentar irrepetível. Como nós. Únicos na nossa (dis)semelhança. Deito-me. Sou submergida. Deixo-me ir com a corrente. Não morro de imediato. Entro noutro meio. Abdico do oxigénio que me asseguraria a sobrevivência como a conheço. Respiro literatura. Sou ligada à máquina (de escrever) de Virginia Woolf (1882 – 1941) sendo-me doce a extinção porvir. Há vida depois desta escritora. Existência maior porque mais plena.

Seis vozes se nos revelam por uma sétima “anónima”. Ou, dar-se-á o inverso e essa é-nos desvendada quando nos confrontamos com as restantes: Bernard, Rhoda, Neville, Louis, Susan e Jinny. Seis ondas e respectivas idiossincrasias. Com eles fui circulação. Sangue pulsando nas veias de personagens complexas. Como se fora possível conhecer-lhes(nos) deveras o âmago, os órgãos, a(s) dor(es).

Tamanho escrutínio ou lucidez são de enlouquecer. Não foi, por conseguinte, de ânimo leve que lhes acompanhei o crescimento. Fui leitora angustiada dos monólogos íntimos de cada um, enquanto amadureciam. Sós, como eu. (Como vocês.) Solidão desde a infância, ainda que então consideremos todos amigos; à idade adulta, quando já aprendemos a olhar os outros com desconfiança. Do berço ao caixão: isolamento. Ideia que perpassa o romance. A humanidade um oceano de solidões. As frases de Woolf na boca de cada um dos seis são terramotos que nos deixam sem abrigo, ineptos para as ilusões de outrora:

“As experiências da vida são incomunicáveis e é essa a causa de toda a solidão e de toda a desolação humana.” (Pág.125)

“Por um instante vimos entre nós o cadáver do ser completo que não tínhamos conseguido ser, mas que ao mesmo tempo não conseguíamos esquecer.” (Pág.222)

“Deus seja louvado por esta solidão que me libertou da pressão do olhar, da solicitação do corpo, da necessidade da palavra e da mentira. (…) Deixem-me ficar aqui para sempre, entre estas simples coisas, esta chávena de café, esta faca, este garfo, coisas em si, que me deixam ser eu.” (Pág. 237)

A história decorre em nove partes, do nascer ao pôr do sol, enquanto AS ONDAS se sucedem. Como se a vida se cumprisse num dia.

195 Batimentos cardíacos Por Minuto – Sublime. A adquirir para reler a vida toda. Sugerir a leitura.

Publicação original AQUI.

Etiquetas: , ,


Comments: Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Website Counter
Free Counter